JORNAL DA CLASSE DOS LEILOEIROS
20 ANOS DE DEDICAÇÃO AO MERCADO LEILOEIRO
Saiba mais ...
Previous
Next

De onde vêm os imóveis vendidos em leilão?

Geralmente, imóveis vendidos em leilão são negociados abaixo do valor de mercado. Há casos em que o desconto chega a 50%, 70%. Tudo depende das características, do momento do mercado para aquele tipo de imóvel e se o vendedor tem ou não a posse do bem. Se não tiver, o comprador precisará negociar ou tomar medidas judiciais para retirar o ocupante do imóvel. “Isso representa ao mesmo tempo uma dificuldade e uma oportunidade de arrematá-lo por um preço menor”, afirma Moacir De Santi, leiloeiro oficial da Sodré Santoro.

Duas modalidades

A judicial, que ocorre quando o juiz determina a venda para o pagamento de alguma dívida do proprietário; e a extrajudicial, que pode estar relacionada com o não pagamento de prestações do próprio imóvel, financiado pelo chamado sistema de alienação fiduciária. “Nesse caso, o imóvel é a garantia do pagamento da dívida. Consta em contrato que, se o proprietário não pagar o financiamento, depois de um determinado tempo e seguindo todos os ritos da lei, o imóvel vai a leilão sem a necessidade de se propor ação judicial”, explica Cristiane Bonetti, advogada do departamento de imóveis da Sodré Santoro.

A categoria extrajudicial inclui também o leilão comum, que acontece quando o proprietário leva o bem a leilão para vendê-lo de forma mais ágil do que a negociação imobiliária tradicional. Atualmente, cerca de 70% dos imóveis leiloados na Sodré Santoro têm origem extrajudicial e 30%, judicial.

Preço mínimo

Nos casos de leilão judicial ou extrajudicial de imóveis provenientes de alienação fiduciária, há duas tentativas de venda do imóvel em leilão, que são chamadas de primeira praça e segunda praça. A diferença é o preço mínimo aceitável, que costuma ser maior na primeira tentativa. O valor varia conforme a modalidade. No extrajudicial de alienação fiduciária, por exemplo, a lei estabelece que, na primeira praça, o lance vencedor deve ser igual ou superior ao valor de avaliação do imóvel.

Se não houver interessado, acontece a segunda praça, na qual o preço mínimo deve ser o valor da dívida que o antigo proprietário tinha com a instituição financeira acrescido das despesas jurídicas e administrativas, como honorários advocatícios, custos do edital e despesas do imóvel.

No leilão extrajudicial convencional, o próprio vendedor estabelece o preço mínimo. Nesse caso, não se faz necessário a realização de duas praças. O imóvel poderá ser levado a leilão quantas vezes o proprietário pretender até que seja vendido. Pode, inclusive, analisar propostas de compra se assim for de interesse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça o Login